DIÁRIO DE UMA MAMÃE

25 de fevereiro de 2015

Nem acredito que o Bernardo já tem 2 meses. Ao mesmo tempo que sinto que passou super rápido, também tenho um mix de sentimentos que me diz que passou muito devagar. Sinto que já o tenho há muito mais do que “meros” dois meses. Parece que sempre o tive. Já tenho 30 anos e fico pensando como pude demorar tanto tempo para conhecer esse amor. Se paro para pensar em todos esses trinta anos, muito bem vividos, obrigada, parece que foram anos coadjuvantes. Sabem como? Parece que a vida começou agora.

nati-vozza-diario-de-uma-mamae

De fato começou, não deixa de ser uma verdade, pois a tarefa mais importante da minha vida começou só agora, com 30 anos. Preciso criar e preparar uma pessoa para o mundo, para ela crescer e se tornar uma pessoa íntegra em meio a tantas tentações no meio do caminho. Pensar que ela depende só de nós, pais, nesse início de vida, para saber o que realmente importa, o que vale a pena, como tratar o próximo, como receber e como dar amor. Isso ainda está um pouco distante para mim, pois primeiro preciso ensiná-lo a andar, a comer, a realizar sozinho suas necessidades básicas, mas não está tão longe assim. Esses ensinamentos vêm de casa, vêm desde pequenino, vêm de observar, mesmo que instintivamente, como seus pais tratam o próximo, de como seus pais dão e recebem amor, de como seus pais lidam com frustrações, se eles aumentam a voz para impor algo, se eles abaixam demais a voz, entre milhares de outros pontos. Não adianta colocar a criança desde cedo na escola e esperar que ele se torne um adulto maravilhoso, você precisa dar o exemplo em casa, mesmo que só tenha 3 horas por dia com a criança. Acredito muito no tempo de qualidade, talvez até mais do que no tempo quantitativo. A ausência presente é um fato, maior ainda nos dias de hoje devido a internet e ao celular sempre em mãos.

Há mães que deixaram de trabalhar para cuidar dos filhos mas não conseguem ter tempo de qualidade, pois vivem nervosas, estressadas, gritando, dormindo pela casa, e que sem querer acabam não virando um exemplo maravilhoso, mesmo que sem querer e mesmo que tenha as melhores intenções. Há mães que deixaram de trabalhar e conseguem ter tempo de qualidade e em poucas horas juntos conseguem passar bons exemplos. Há mães que trabalham fora e chegam em casa estressadas e sem cabeça para cuidar dos filhos, ou então chegam tão tarde que não conseguem nem dar o beijo de boa noite. Há mães que trabalham fora mas que tem 2 horas por dia com o filho de muito amor, qualidade e muitos ensinamentos. Gente, há milhões de tipos de mães, com certeza nenhuma erra ou errou sabendo disso, todas com certeza tiveram as melhores das intenções e tiveram os seus motivos. Há mães que ficam o dia todo com a criança, mas grita com a vizinha, com a empregada, grita no transito. Há mãe que trabalha, mas ensina e passa valores lindos aos filhos. Há mães que ficam em casa mas brincam no chão e ensinam os seus filhos a guardar os brinquedos. Mas também há mães que trabalham fora e quando chega não quer nem trocar a última fralda do dia. Semana passada recebi um comentário que me chateou, falando que se fosse ela, quando tivesse filho, iria parar de trabalhar por 1 ano e não teria babá, pois o filho precisa dela. Concordo em termos, pois tendo ou não babá, trabalhando ou não fora, esse julgamento é muito superficial. Como vocês podem ver acima, trabalhar ou não fora, ter ou não ter babá não diz nada sobre a mãe que você é.

Não vou e nunca irei parar de trabalhar, pois eu amo o que eu faço. Mas isso não me dá o direito de julgar, pela capa, mães que quiseram isso para elas. Ser ou não ser uma boa mãe vai muito além disso. Meu Bernardo tem 2 meses e eu já estou voltando com a minha vida, indo a alguns eventos (não mais do que 1 por semana e não mais do que 2 horas longe. Esse é o meu limite, mas poderia ser mais para algumas e menos para outras), fazendo algumas fotos (levo meu bebê para Campinas com todas as fotos, a avó cuida dele amarradona, e eu fotografo na rua de casa), jantando com meu marido, indo a algumas festas. Quem julgar por fora, será tão vazia quanto a resposta que ela terá, pois dentro de casa ninguém sabe o que rola. Se sou eu quem amamento, que troco a fralda de coco, que dou o banho. Se estou fora de casa por duas horas, não representa nada perto das outras 22hs que estou com ele.

Não estou respondendo o comentário por aqui não, nem estou querendo levantar polêmica, pois respondi no post anterior e a leitora é uma querida e sempre presente por aqui. Estou apenas usando o gancho para falar sobre algo muito frequente nesse mundo, o julgamento infundado.

Segunda-feira passada eu fui fazer a minha primeira sessão de fotos para o blog. Faço sempre em Campinas pois a logística é melhor para mim (mesmo que eu saia de casa, em SP, com o carro carregado. Literalmente. Com todas as roupas de fotos, sapatos, acessórios, e depois tenha que voltar tudo no fim do dia), pois a casa é dentro de um condomínio, sem ruas movimentadas, sem elevador, sem ter que pegar o carro a cada nova foto. Sem contar que por lá meus pais piram no Bernardo, e eu consigo deixar a semana deles um pouco mais especial. Sábado foi dia da minha primeira festa depois da gravidez, e como foi em Campinas deixei o Bernardo com a minha mãe e nem preciso dizer como “fiz o ANO dela”, preciso rs? Ela simplesmente pirou. Durante a festa eu dei umas ligadas para saber se estava tudo bem, até que ela pediu que eu parasse de ligar e curtisse a festa. Realmente consegui curtir, bebi uma Champagne que tanto amo e estava com saudade ahahah e voltei pra casa. No dia seguinte ele acordou rindo, como sempre, e vi que tudo bem, ele não “morre” por isso.

É isso, a vida vai se re-ajeitando. Vai se moldando de uma nova forma, com algumas novas preocupações, mas com um maior significado.

O Bê sempre foi bonzinho. Bonzinho até demais. Cheguei a perguntar ao pediatra se era normal ele não chorar nunca, pois achei que fosse culpa do soprinho em sua válvula pulmonar. Vai saber né, quem sabe ele não tivesse fôlego para chorar… O Pediatra riu. Dois dias antes dele completar 1 mês, como já escrevi no diário de 4 semanas, ele deu um trabalhinho e ficou bem choroso. Li por insistência das leitoras queridas sobre o tal de pico de crescimento e salto de desenvolvimento, no qual me pareceu fazer total sentido. O pediatra desconheceu esses fenômenos e eu “broxei”. Agora, dois dias antes dele completar o segundo mês, de novo, choro sem motivo aparente algum. Não era choro de dor, não era manha, não era cólica, não era frio e nem calor, não era nada. Não queria ficar no colo e não queria ficar fora dele. Não queria nada, sabem como? Pode parecer besteira mas eu já conheço os chorinhos dele e eu simplesmente não detectava nada. Resolvi ler novamente sobre esse fenômenos e, novamente, fizeram total sentido. Resolvi acreditar, mesmo o pediatra falando que não ahaha. “Há mais coisas entre o céu e a terra do que podemos explicar/imaginar”, acredito eu e William Shakespeare.

Passados dois dias, Bezinho estava ótimo e mais esperto do que nunca. Amém!

Ontem foi dia de levá-lo para tomar as vacinas de 2 meses e pode parecer brincadeira, mas foi o dia que ele acordou mais bem humorado. Cheguei no berço e lá estava ele, simplesmente me mostrando todo o seu charme e a sua gengiva ahaha, rindo e fazendo sonzinhos. Mamis pira!!!!! Arrumei o Bezinho e lá fomos nós (papai, mamãe e Bê) para a clínica. A primeira vacina foi oral, ele praticamente mamou a seringa, todo sorridente e fofo. Me deu uma dó, mal sabia o que o esperava. Depois veio a primeira picadinha na perninha direita, que a enfermeira avisou que iria doer mas que era a menos dolorida (oi?). Ele chorou sentido, e meu coração virou frangalhos. Depois, logo após a primeira picada, veio a segunda, na perninha esquerda, e a enfermeira falou para nos prepararmos pois essa era realmente dolorida e que o choro dele seria até diferente. Batata! Ele chorou doído, perdeu até o fôlego, e eu simplesmente morri. Acho que renasci só algumas horas depois, pois ele mamou chegando em casa e capotou. Dormiu 3 horas seguidas no meu colo, nem o calor, nem a cãibra, nem a vontade de fazer xixi me fizeram deixá-lo no berço e tirá-lo de meus braços ahahah. Acordou para mamar e novamente dormiu. Onde? Nos meus braços, claro. Acordou às 21:30 pra mamar de novo e aí foi para o bercinho, onde acordou só às 4:30 da manhã, mamou pouco e já dormiu de novo. Uma benção! Hoje parece que não tem nenhuma reação, graças a Deus.

Já estou pensando nas próximas vacinas, meu Deus me ajude, é muito triste para as mamães né? Mas precisamos pensar que é para um bem maior.

Bom, seguimos firme e forte por aqui. Rindo, ficando mais tempo acordado, às vezes tendo dificuldade para dormir depois de muitos estímulos, mas cada vez mais esperto e gostoso. Obrigada por tanto carinho, se ele pudesse ele também agradeceria, é muito amor emanado.

Beijos com muito carinho,

Nati e Bê, 9 semanas =)

 

Compartilhe:

28 comentários

Deixe uma resposta

  1. O jeito com que você escreve essas coisas, esses detalhes, me deixa encantada! Você é muito gentil em compartilhar com suas leitoras…parabéns! Você é linda, teu filho é lindo, tua família é linda! Que Deus continue te abençoando…abraço =)

  2. Adorei, vc eh linda! muita saude pro seu be, e aproveite bem essa fase bebe q passa tao rapido, tenho uma princesa de 3 aninhos. e eh maravilhoso ser mae! um beijo te admiro sempre!

  3. Eu não sou mãe e não penso em ser, ma amoo esse diário! Acho absurdamente linda a forma como você escreve, é tão cheio de amor pelo Bê sabe … É lindo de se ler, e eu sou supeeeeeeeeeeer chorona, choro em quase todos os diários rsrs

    Beijoos

  4. Nati chorei ao ler a parte das vacinas! Adoro vir aqui e ler sobre o Bê, pareço que já sou tia dele de tanta intimidade! Estou planejando engravidar e simplesmente amo ler sobre sua experiência. Obrigada por compartilhar esses momentos tão lindos!

  5. Ai que delícia ler tudo isso! Amo seus diários, continue sempre.
    Engraçado que a gente passa tudo isso e depois de um tempo esquece sabe?
    Meu bebê já tem 2 anos e 7 meses, está praticamente um moço, já estou gestante da próxima… e ler isso me faz tão bem…. além de relembrar me prepara para a chegada da próxima!
    Beijos MIl

  6. Nati, que sinceras suas palavras! Obrigada por dividir isso. Beijo no coração e parabens pela dedicação, cuidado e pelo baby gostoso. Fica com Deus!

  7. Que sonho conhecer esse baby lindo!!
    Fico daqui só desejando coisa boa pra vocês! Acima de tudo saúde, que é o que mais importa.
    Saiba que o Bê é muito amado por nos da internet!
    Bjs!

  8. Ai Nati…até chorei de imaginar esse pacotinho tão gostoso sentindo dor…judiação…mas é p o bem da saúde deste Lindo…p ele crescer forte e saudável…e no que depender de suas leitoras mandarem e emanarem carinho e afeto p esse bebe incrível…pode ter certeza q é de todo coração!!
    Deus os abençoe!! Um beijão!!

  9. Oi Nati!!!
    Ai, nem me fale de vacinas!! eu choro junto tb!!
    Dei graças a Deus quando com 7 meses a médica me avisou que a próxima seria com 1 ano!! Ufa, 3 meses sem picadinhas!! ehehehhe
    VOCE é uma ótima mãe!!! apenas isso!!!
    gde bjo

  10. Ah não, Nati! Ele é ruivinho???

  11. Por Amanda Vasselai Simão

    Nati querida. É tão lindo a maneira como você escreve e conta esse diário. Mesmo não tendo filhos fico encantada com esse teu jeito amável e querida com as suas leitoras. O Bê é um fofo, exatamente como você. Tenho certeza que ele terá um belo exemplo de mãe, pois é íntegra e super do bem. O Bê se orgulhará demais dessa mãe linda.
    Adoro entrar aqui e ler o quanto você compartilha conosco tudo isso, é tão lindo Nati.

    Obrigada por compatilhar sempre conosco.
    Um super beijo pra você e para o Bê :*

  12. Oi Nati, te acompanho há muito tempo, mas nunca comento. Minha família tem uma empresa de calçados infantis, gostaria de te encaminhar uns presentes, tenho certeza que você vai amar! Para onde mando? Beijo pra você e outro para o Bê!

  13. Oi Nati… ADORO seus diários, são ótimos! O Bernardo esta cada dia mais fofo! Parabéns!!!

    Gostaria de uma informação, vou encomendar um sapato Valentino para uma amiga que vai para NY, porém estou com dúvidas em relação ao tamanho! Vi em um post que você comprou um lá, qual seu número aqui no Brasil e qual a numeração que você comprou? Agradeço muito se me ajudar!
    Um super beijo!

  14. vacina é assim mesmo…e a dos 2, 4 e 6 meses são as piores. mas acho que a dor “melhora” com o tempo também….lucas, com 6 meses, chorou menos na última vacina…e assim vai. =)

  15. Quase chorei só de imaginar essa cena da vacina rs, não quero nem ver quando for o meu rsrs.
    Super entendo esse seu desabafo em relação aos diferentes perfis de mães. Parece que vivemos numa sociedade que só sabe apontar o dedo para o outro, como se fosse dono da verdade. Isso acontece o tempo inteiro com qualquer tipo de assunto. As pessoas precisam aprender a respeitar as outras, respeitar as diferenças, os gostos, as opiniões, mesmo que sejam diferentes das suas. Ninguém é melhor do que ninguém.
    Mas vc está certa, curta mto o Bê e tenha sua consciência tranquila!
    Bjos para vcs 2! :*

  16. Detalhes lindos! amei Nati, isso emocionaa

  17. Que relato lindo, sensato e verdadeiro! Cheguei aqui através do insta da bruna cardoso, mas fiz questão de comentar para dizer que hoje me senti representada enquanto mãe em suas palavras! Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é, sabe os perrengues que passa como mãe, e não cabe a ninguém julgar! Parabéns, você com certeza é uma super mãe e o Be um bebê muito sortudo! beijos

  18. Que fofa vc é… e é assim mesmo… a vida vai se ajeitando e vamos entrando no ritmo novamente… e a cada filho é uma nova experiência (tenho 2 meninos)…
    As vacinas são realmente um momento complicado… meu marido morre de medo de injeção (mesmo negando sempre) e não vem comigo vacinar… então tem levantar a cabeça e ir… rsrsrs… mas é dolorido mesmo… a gente consegue…
    Bjokas mil no Bê… lindão…

  19. A parte das vacinas realmente é sofrida demais pra gente!!!!! Mas sabemos que é muuuito importante!
    Meu filho tbm nasceu com sopro. Estenose valvar pulmonar. Fizemos acompanhamentos a cada 2 meses até o 1º ano dele, depois a cada ano e agora a cada 2 anos. Ele está com 8 anos e fez futebol e agora está na natação, mas é muito importante acompanhar.
    Vai dar tudo certo!
    Bjos.

  20. Que lindo seu post Nati!!!
    Parabéns pelo baby lindo e carismático…e parabéns para você, que pelo que posso perceber, transborda de alegria a cada “conquista” dele e chora junto a cada momento mais delicado que ele passa!!
    Adoro seu blog!!!
    Beijoss

  21. Fofa! Mamãe mais linda, delicada e dedicada. Bezinho tem muita sorte de ter Papais tão equilibrados, conscientes, carinhosos e família.

  22. Parabéns Nati! Está tirando de letra! Ninguém melhor do que a mãe para querer e fazer o melhor para o seu bebê! Beijos!,,

  23. oi Naty, fiquei curiosa para saber como fez na mamada da noite quando vc saiu no sabado, ou ele não mama mais a noite?bj

    1. amor, dá uma lida nos diários de mamãe. Eu dou formula, a minha mãe deu nessa madrugada…

  24. E assim mesmo, parece que nossa vida só começa de verdade depois que somos mães. E sim, o importante e a qualidade do seu tempo com ele.

  25. Nati, coloca Dermomax no local da vacina 30/40 min antes. Uma camada grossinha. Eles não sentem nadica de dor. Faço isso com minhas duas até hj, até pra exames de sangue. Super funciona. Muito fofo teu Bê! Bjs

  26. Mas, Nati, não entendi. Se vc da formula, pq diz que amamenta? Dar mamadeira é uma coisa, amamentar é outra completamente diferente.
    Sobre as vacinas, tadinho. Poderia ter espaçado, é muito pesado para o corpinho dele tantos virus de uma vez.

    E o pediatra está bem ultrapassado, né? Não conhecer sobre os picos e saltos de desenvolvimento e crescimento comprova. Falta atualização urgente! Por que vc não busca outro pediatra para o Bê?

    1. Amor, eu falo apenas porque é a palavra que me vem a cabeça… se eu alimento meu filho, não se prenda na palavra, porque se importou tanto?